Semantica e SEO, a minha última fuckin descoberta!

Mano do céu, esse artigo pode ser o mais foda que você leia nesse ano. Estou colocando neles meus últimos 2 ou 3 meses de estudos. Li uma porrada de artigos, troquei muita informação com gente amiga e até fiz algum curso sobre o tema.

Ahhh porque minha última fuckin descoberta? Não é porque eu tenha descoberto de fato isso, e sim porque para mim se tornou algo novo e que pode fazer uma diferencia importante na hora de trabalhar o SEO de um site.

Então, pegue uma cerveja, um refri ou, se você é high, um café com manteiga de não sei o que trem, ligue o pomodoro e não esqueça de sorrir por 30 segundos no sexto parágrafo desse artigo, beleza?

Bora!

É importante esclarecer que eu ainda acredito que links são o principal fator para posicionar um site, os diversos e diversos testes, projetos e cases que analiso diariamente me faz pensar isso, mas também é importante dizer que cada vez mais o SEO Onpage, arquitetura da informação, Semântica e outros fatores, estão sendo mais importantes na hora de trabalhar um projeto. Não é que links estejam perdendo força, é que esses outros fatores estão ganhando força (há muito tempo), o que acho fantástico!

Agora, é verdade também que links são a parte mais difícil de trabalhar porque se você não faz bem as coisas pode ser penalizado e tem muito de depender de terceiros ou de orçamentos importantes para conseguir bons links, já toda a parte interna pode ser feita por você mesmo. Claro, quanto maior o conhecimento, maior a chance de sucesso a esse nível.

Entenda, conteúdo é importante, mas conteúdo por si só não posiciona. Quem diz isso está errado. O que posiciona é a forma como você otimiza a página que vai trabalhar e o conteúdo que está trabalhando nela. É muito tênue a linha entre dizer que o bom conteúdo posiciona e a boa otimização interna da página posiciona. Cuidado com isso!

Se o bom conteúdo posiciona, então “só” precisaria contratar um bom jornalista ou um especialista no assunto e pronto. E sabemos que não é bem assim que funciona.

A Semântica no SEO trata disso, de entender como funciona Google a esse nível e tentar otimizar o conteúdo baseado nisso, o que é muito diferente a dizer que um bom conteúdo posiciona, ok?

Claro, finalmente, a Semântica SEO termina sendo um bom conteúdo. Então, ai pode estar a confusão de muitas pessoas.

A semântica SEO é algo que eu nunca considerei como importante, simplesmente porque ao pensar que os links são o principal fator para posicionar um site, não dei valor aos outros pontos de SEO. Grande erro!

Quando percebi que existem sites que posicionam bem graças a uma boa otimização interna, eu pensei, eu preciso mergulhar nisso!!

Quando estou falando de otimização interna, estou indo além de títulos, subtítulos, alt nas imagens e o básico do básico.

Quando se fala de Semântica SEO existe muita confusão respeito a isso, por essa razão, hoje vou te mostrar todo o relacionado a Semântica SEO e como pode aproveitar ele para otimizar, de verdade, seu site.

Quando eu fiquei sabendo que a Semântica SEo é algo que tem 18 anos eu quis me dar um soco!! Como algo tão antigo na internet é tão pouco falado nos círculos de SEO?

Quem propus isso foi o Tim Berners-Lee. A ideia é que a web semântica seja uma extensão da web comum, ou seja, não linkar documentos e sim informação. Isso pode ser feito utilizando entidades que são identificadas por URIs globais e únicas e tendo como base relações triplas.

WTF Darkent? Calma, todo ficará claro ao final desse artigo!

Então, como diria meu amigo o Chapolin, Sigam-me os bons!

O que é semântica?

Sério, pode parecer bobo, mas é necessário entender o conceito de semântica antes de entrar a semântica SEO. É obvio, mas é fundamental para saber aproveitar o bagulho todo ok?

Semântica tem a ver com o significado das palavras e as relações que existem entre elas.

Simples assim!

Agora, o que é web semântica?

Como falamos, é uma extensão da web comum, que tem um maior significado e onde qualquer usuário na internet pode encontrar respostas as perguntas que ele tem de forma mais rápida graças a informação melhor definida. Esse tipo de web, baseada no significado é apoiada em linguagens universais que resolvem os problemas que uma web comum e sem semântica tem, onde o acesso a informação é algo chato e difícil.

É bastante chato no início. Confesso que tive dificuldades para começar a entender tudo isso porque tem a ver com conceitos e definições que muitos SEOs nunca conseguirão entender.

Alguns desses conceitos são:

  • RDF – Resource Description Framework
  • NLP – Natural Language Processing
  • NER – Named Entity Recognition
  • Topic Modeling

E algumas coisas mais que felizmente não necessitamos entender em sua totalidade para aproveitar essa tecnologia.

O que é necessário entender são dois conceitos: entidades e triplas. Porque? Porque são a base da web semântica.

O negócio já não se limita a palavras chaves, agora se expande para entidades.

O que são entidades? Coisas, qualquer coisa. Desde pessoas até lugares ou eventos. Essas entidades podem ter relação com mais entidades e assim formar uma rede sem fim.

Por exemplo, invés de pensar em Johnny Deep como uma pessoa, podemos pensar nele como uma entidade.

Sendo assim, sabemos muitas coisas dele:

  • Nasceu em Kentucky. EUA
  • É musico
  • Ator principal do piratas de caribe
  • Musico do Hollywood Vampires.

Ok, e isso serve para que?

Olha a seguinte imagem:

seosemantica-piratas

 

Como Google sabe isso?

Simples, essa informação aparece em muitos lugares: Wikipedia, sites, blogs, etc.

É desde ai que ele tem essa informação. Sabe que é uma entidade e que é ator e que ganhou X coisa.

Google não buscou essa informação num site feito para ganhar dinheiro com AdSense ou no Yahoo respostas.

Todas essas informações que Google consegue identificar sobre uma entidade são as triplas e tem um formato a seguir:

Sujeito + Predicado + Objeto

O objetivo dessas triplas é representar conhecimentos e não somente dados.

Sendo assim, o sujeito é a entidade que está descrevendo, o predicado é o que está sendo descrito do sujeito, e o objeto é o valor do predicado.

  • Neymar nasceu em Santos = Neymar (sujeito), Nasceu em (predicado), Santos (predicado)
  • Neymar ganhou a medalha de ouro dos JO Rio 2016 = Neymar (sujeito), ganhou a medalha de ouro (predicado), dos JO Rio 2016 (predicado)

Essas triplas podem ser representadas graficamente, talvez assim seja mais claro entender:

tripla-seo-semantica

Para mergulhar melhor nesse ponto de gráficos de triplas, existe o Knowledge graph. O que é? É uma base de dados enorme de entidades e suas relações. Existe um bicho de Google que utiliza muito essa ferramenta, é um bicho que não é tão conhecido como o Panda ou Ponguim, é o Hummingbird.

O hummingbird tem muito a ver com semântica, basicamente o que faz é pegar as pesquisas longas e complexas e as desconstrói, buscando assim conceitos, entidades e as relações que existem entre elas. Assim, eles devolvem aos usuários um resultado adequado.

Vamos para um exemplo para entender isso porque acho que o artigo está ficando um pouco complexo até para mim :p

Algo muito comum aqui no Brasil, as pessoas buscam pelo nome da cidade (São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro) ou pelas siglas delas (SP, BH, RJ).

Então, se pesquisar por “melhor pizzaria em Belo Horizonte”, Google via receber essa frase, vai buscar ela em entidades conhecidas e assim sabe qual resultado devolver para o usuário em quanto a localização (BH), tipo de comida (pizza) e até que tipo de resultado (Mapas).

Se a pesquisa for “melhor restaurante de comida italiana em BH”, o resultado pode ser muito similar ao primeiro porque Google entende que o significado é o mesmo.

Sim meus camaradas, isso sim é dizer que Google realmente é inteligente ou está sendo inteligente e não simplesmente berrar dizendo: “Google não gosta de black hat, ele é inteligente para saber isso” Pqp até sangram meus olhos quando leio simplesmente essa frase :p

E agora, como aproveitar isso a nível de SEO?

Como pode ver a semântica SEO tem a ver com ajudar ao buscador a que entenda sua página ou site, e isso não tem a ver com enfiar sinônimos somente.

Para começar, e isso foi algo totalmente novo para mim, não existem só as relações que eu conhecia entre as palavras, ou seja, sinônimos e antônimos, também existem os anônimos, porque ninguém os conhece (Piada bosta!)

Esses são: hipônimo, holônimo, hiperônimo

Se realmente a gente quer otimizar uma pagina existem alguns pontos a considerar, e repito, não é somente colocar sinônimos.

  • Determinar as entidades para uma pagina
  • Desambiguar diretamente
  • Desambiguar indiretamente

Determinar as entidades para uma pagina

O primeiro a se fazer é determinar qual entidade ou entidades estará trabalhando uma página. Como fazer isso?

Existem ferramentas que já fazem isso, mas não funcionam bem no português, seria interessante que alguém possa fazer isso né? Se você é programador, me chama 🙂

Então, só temos a opção manual, que é buscar e analisar uma página de autoridade como Wikipedia, assim terá uma ideia da sua entidade e as relações que ela tem.

Depois de ter as entidades e as relações, é necessário desambiguar elas.

Desambiguar diretamente

A forma mais direta de indicar para os buscadores de que entidades está falando no seu site é marcando elas. E para isso existe o Schema.

Schema foi feito de forma colaborativa entre os grandes buscadores (Google, Yandex, Yahoo, Microsoft) e que serve para definir um vocabulário standard onde possam ser marcados entidades e suas relações.

Para implementar isso pode ser usado RDFa, Microdata e JSON LD.

Para marcar com os dois primeiros é necessário mexer no HTML. Na página de Schema pode conferir que propriedade colocar. Também existem geradores de Schema como Schema Creator que também tem um plugin para WordPress, ou também pode usar a ferramenta de marcado de Google dentro do Search Console, Clique Aqui para ir até lá.

Com JSON LD é mais simples porque só precisa de colocar um <script> dentro do HTML e pronto.

Seja qual for o marcado que for a utilizar é importante que verifique se ele é valido e para isso também existem ferramentas que podem ajudar nesse sentido:

Desambiguar indiretamente

Para desambiguar indiretamente uma página é necessário faze-lo mediante o conteúdo. As palavras que utilizamos dentro da página podem enviar sinais para os buscadores do que estamos falando concretamente, assim, vai influenciar diretamente na interpretação que eles possam ter sobre seu site.

E como já falei antes, não se trata somente de colocar sinônimos no texto. O que queremos é que os buscadores saibam de que tema está tratando a nossa página.

Vamos a um exemplo e também a complementar isso que estou falando.

Imagina que sua página fala de emagrecimento, não se trata de colocar palavras como “perder peso” ou “queimar gordura” no texto. O que precisamos é ter um contexto dentro da keyword. Temos que criar “baldes temáticos” (tradução ruim, acho). Para entender melhor esse conceito, leia o artigo de David Harry no Search Engine Journal.

Vamos mais a fundo:

Se queremos falar de como emagrecer com exercícios, podemos ter um “balde” com palavras como:

  • Treinamento
  • Academia
  • Pesos
  • Proteína
  • Fitness
  • Suplementos
  • Crossfit
  • Roupa esportiva

Esses termos teremos que os incluir no conteúdo de nosso site ou página. E tem mais um detalhe, não só é preciso que apareçam, também é necessário que tenham frequência e proximidade entre as palavras.

É um pouco do que já se falou em algum momento sobre LSI. Farei algum artigo sobre isso depois.

Com isso Google poderá entender se uma página fala de fruta ou de roupas caso a palavra chave seja “manga”.

É claro que todo esse conceito está muito mais elaborado e avançado em inglês, em português ainda não está tão bem definido, mas já vi serps com sites com uma excelente semântica. É o presente e o futuro e é algo que não veio para desaparecer.

É o seguinte passo da web atual, é o passo que está acontecendo.

E não importa se você se considera White Hat ou Black Hat, você precisa saber sobre isso se vai mexer com SEO.

Ufff, tentei explicar bem o que aprendi nessas últimas semanas, tomara que o artigo possa ter sido claro. Curta, compartilhe e comente, que isso ajuda muito!!

E se tem alguma coisa para agregar ao tema, abro as portas do Darkent para que possa escrever sobre isso, seja teórico ou prático. Isso sim, não venha a dar uma de esperto, só para ganhar um link no blog, vou analisar bem os artigos que serão publicados aqui e se estão dentro da linha do blog e complementam bem esse conteúdo, será aceito, caso contrário, sem magoas, terei a liberdade de falar que não, beleza?

15 Comments

  1. Juliano Marcos de Farias outubro 17, 2016
  2. Henrique outubro 17, 2016
    • Darkent outubro 17, 2016
  3. Wellington Rocha outubro 17, 2016
  4. Eduardo outubro 17, 2016
    • Darkent outubro 17, 2016
  5. marcello outubro 17, 2016
  6. Heitor outubro 17, 2016
  7. Pedro Roque outubro 17, 2016
  8. Emerson outubro 19, 2016
  9. Carlos Oliveira novembro 7, 2016
  10. Gabriel novembro 16, 2016
  11. Adriano Lopes janeiro 2, 2017
  12. Marketing Digital Efetivo fevereiro 4, 2017
  13. Petherson março 10, 2017

Leave a Reply