O Mercado de Afiliados no Brasil

Eita Porreta na vinheta da maleta!!!

Qualquer coisa pra iniciar esse post que tenho certeza será, no mínimo, polêmico.

Quero deixar minha opinião sobre o mercado de afiliados de infoprodutos no Brasil atualmente.

Nos últimos dias tem uma corrente de afiliados que trabalham com trafego pago querendo que os que trabalhamos com SEO sejamos proibidos de rankear para palavra chave exata do produto no domínio. Isso gerou uma discussão enorme!

Estou fazendo esse post pra dar minha opinião e deixo claro que esse post não nasce depois de ter a discussão (de forma educada, devo ser sincero) num grupo especifico. Esse post nasce depois de que muita gente me mostre por inbox prints de publicações de vários afiliados que trabalham com trafego pago onde minimizam o trabalho dos mini sites e de SEO.

Como eu não tenho nada que ocultar e como eu não preciso de botar minha opinião num lugar fechado (como um grupo segredo ou fechado de Facebook), vou dar minha opinião publicamente no meu blog para que possa ser lida por todos e em qualquer momento.

O trabalho dos Mini Sites

Quem trabalha com mini sites sabe que uma estrategia que funciona muito bem chama-se Launch Jacking e é uma estratégia que é antiga lá fora e que no Brasil foi ensinada nesse ano com um curso meu que já saiu da Hotmart (inexplicavelmente o produto foi tirado de lá) e no curso do Vicente Sampaio. Na verdade, se não estou errado, a primeira vez que vi essa estrategia em português foi no blog do Mundo Y, num artigo.

Nos cursos, tanto Vicente, quanto eu e Maycon detalhamos a estrategia passo a passo com diferentes formas. O que Vicente ensina é diferente ao que Maycon e eu ensinamos em quanto a estrategia de posicionamento, mas a essência do Launch Jacking é a mesma.

Dizer que quem trabalha com mini sites não sabe trabalhar é no mínimo ignorante quanto a SEO. Da mesma forma já ouvi gente dizer que AdSense não funciona pelo fato de que essa pessoa não faturou nunca com AdSense. Se alguém não sabe trabalhar com uma estrategia, não pode condenar ela, simples assim.

Eu nunca trabalhei com trafego pago até agora pouco e nem por isso nunca falei que trafego pago não funciona ou é ruim.

O primeiro contato de um curioso

Uma das razões que vi quando falam que as Serps tem que ser dominadas pelo produtor para “sua” palavra chave (Sim, entre aspas) é que o primeiro contato do futuro cliente é com um anúncio, depois, o futuro cliente busca no Google e encontra o blog bem posicionado, entra no artigo e compra, fazendo assim com que o afiliado do anúncio perca a comissão. Agora, vamos colocar diversos cenários para tentar ser mais justos né? 🙂

  • Primeiro cenário: Anuncio mata anuncio. O que aconteceria se o futuro cliente (agora vou chamar ele de money person 🙂 ) procura pela keyword e clica num anúncio e sai da página, algo que é totalmente provável porque a maioria das pessoas não compram no primeiro contato. Depois a pessoa vai pra Facebook ou YouTube e vê um anuncio de outro afiliado e compra. O segundo afiliado roubou do primeiro? Ou melhor, o afiliado com orçamento maior passou por trás do afiliado com menor orçamento? Não acho. Artigo não pode matar anúncio, mas anúncio sim pode matar anúncio?
  • Segundo cenário: Primeiro contato pelo YouTube. O que aconteceria se a money person busca pelo YouTube? Se não sabe, o YouTube é o segundo maior buscador do mundo. Seu mundo não é o mundo. Então, é muito provável que isso aconteça. Depois a Money Person vai pra Facebook a falar com seu amigo sobre a festa da sexta feira que vai rolar em casa da menina gostosa do bairro e nesse momento vê um anúncio no sidebar do Facebook, entra, e compra! Artigo não pode matar anuncio, mas anuncio sim pode matar vídeo do YouTube?
  • Terceiro cenário: Primeiro contato pelas Serps de Google. O que aconteceria se a money person busca por uma keyword genérica de nicho, encontra um artigo e esse artigo tem o link de afiliado de um produto que limita a compra de domínio para não prejudicar os anunciantes. A money person clica no link mas não compra. Depois a money person vai pra YouTube para assistir um vídeo de “La Fenix” e logo de cara aparece um anuncio desse produto de outro afiliado e a money person compra por ai. Artigo não pode matar anuncio, mas anuncio sim pode matar artigo das serps com palavra genérica do nicho?
  • Quarto cenário: Anuncio mata publicação orgânica. A pessoa busca no Facebook por “SEO Black Hat”, encontra o grupo e entra. Ai encontra uma publicação com meu link de afiliado para Darkentopolis, mas de novo, não compra. Depois ela sai do grupo vai pra sua timeline pra ver as últimas novidades de seus amigos e encontra um anúncio de Darkentopolis de outro afiliado, entra e compra. Artigo não pode matar anuncio, mas anuncio sim pode matar publicação orgânica de Facebook?

O ponto é, o cenário de primeiro contato que estão dizendo não é o único provável acontecer. Coloquei aqui 4 cenários altamente prováveis e que acontecem de fato. E ai? Vamos proibir rankear para YouTube que, alias, também posiciona pra Google muitas vezes sem ter intenção de posicionar em Google? Vamos proibir anunciar para palavra chave onde um blog de autoridade já esteja posicionado para que o anuncio não passe pra trás o artigo? É no mínimo ridículo não é? Porque não seria ridículo proibir keyword genérica no domínio?

Procure por qualquer marca que trabalhe com afiliados e praticamente em todas você vai ver algum afiliado rankeando para palavras chaves exatas.

Ok, a saída que propõem? Não compre o domínio e sim posicione um artigo.

Vou dar uma ideia bem Black Hat e não me faço responsável do que aconteça daqui pra em frente :p . Você pode comprar um domínio expirado digamos viagraduro.com que tem autoridade e que ainda não foi penalizado (sim, existem ainda). Logo faz um artigo viagraduro.com/nome-do-produto e vai ver como é fácil rankear com um domínio expirado. O produtor não proíbe isso. Como ficaria a reputação do produto se um dos primeiros colocados é um artigo (permitido) com o domínio viagraduro?

É melhor ter a keyword no domínio de um afiliado ou que um afiliado promova o curso num domínio como viagraduro.com?

Isso é totalmente possível. Darkent é um domínio expirado e não faço SEO nenhum pra ele, mesmo assim ele posiciona que uma beleza. Já falamos de domínios expirados aqui.

Mais uma vez, se alguém não sabe trabalhar com uma estrategia, não pode condenar ela. Não pode ver só pelos seus interesses ou os interesses que são beneficiosos para SUA forma de trabalhar. Existem diversas formas de trabalhar.

  • Pode criar um canal de YouTube com o nome do curso
  • Pode criar um Fanpage com nome do curso
  • Pode Criar um canal no Vimeo com nome do curso
  • Pode criar o que você quiser com o nome do curso.

Será que todo isso vai ser proibido?

Eu atualmente conheço produtores que trabalham remarketing de forma totalmente honesta. Sei disso porque tenho acesso a isso. E eu envio trafego para suas páginas sem temor a ser enganado. Eles fazem remarketing com seu link de produtor e eu ganho minha comissão. Só tenho que enviar trafego. Esse, para mim, é o cenário ideal.

Muitos falam que não pode usar keyword do curso no domínio porque pode confundir a money person. Mas quem trabalha com anúncios segue a seguinte linha:

  • Compra um domínio (geralmente com nome do curso também), coloca a MESMA PÁGINA DE VENDA do produto com Optimize Press que foi disponibilizada pelo próprio produtor, usam um cloaking para emascarar a URL no Facebook ou onde for e pronto! Claro que existem mais detalhes como segmentação e mais. Mas a parte técnica é essa. Me fala que não posso comprar domínio exato mas sim pode disponibilizar página de vendas para anuncio? Como assim? Pode isso Arnaldo? Isso não seria confundir ao money person?

Títulos Sensacionalistas

Nesse ponto eu tenho que concordar 100% com o produtor, gerentes e afiliados que solicitam isso.

Títulos sensacionalistas podem e quase sempre vão confundir ou levar uma imagem errada do produto. Alguns gostam de usar essa estrategia, eu mesmo já usei, chamam ele de marketing inverso.

Funciona muito bem, mas nesse caso eu entendo que o produtor não quera que seu produto esteja relacionado a palavras como “Não funciona”, “Reclame aqui”, “Oficial (Sendo que não é)”, etc.

Evidentemente nesse caso existe sim um desejo de proteção de marca que é totalmente entendível. Eu não tenho essa objeção com meus produtos, mas, sim entendo que outros possam ter. Nesse ponto, sim me adequo a petição sem problema algum.

Minha grande indignação é por dois coisas:

  1. Arbitrariedade para EXIGIR (não pedir, nem solicitar), caso contrario afiliação seria tirada, que o domínio não seja keyword nome do produto nem com variantes. Desde o ponto do SEO isso não influencia muito no posicionamento, mas não por isso eu vou aceitar autoritarismo.
  2. Afiliados que trabalham bem com trafego pago e que por isso se acham com o direito de minimizar o trabalho de quem faz mini sites ou trabalha com SEO porque eles “sentem” (entre aspas) que estão sendo roubados. Só precisa ver os cenários que coloquei nesse artigo para que possam ver o outro lado da moeda. Eles também podem “passar por trás” outros afiliados que trabalham com outras formas de trafego.

Não estou aqui para falar o que é politicamente correto. Nunca fiz isso e nunca farei isso. Eu não tenho preço. Já chegaram até mim me propondo vender 5000 copias de meu produto se eu parasse de falar como falo e se parasse de fazer publica a minha opinião e eu não aceitei. Se um grupo de afiliados, gerentes ou produtores querem proibir, não tem problema. Praticamente em todos os nichos existem vários produtos.

Se um não te aceita, tem outro. Cada um vai dizer que tem o melhor produto. Isso nem vou discutir.

A plataforma não pode cancelar seu cadastro pelo fato de não querer se adequar as politicas de um produto ou de vários produtos. E eles não podem mudar as regras de uma plataforma por mais dinheiro que eles tenham. E, sinceramente não acho que um market place aceite essa regra porque iria contra uma forma de divulgação que é totalmente válida no mundo todo. Trabalhar com SEO e com mini sites é totalmente valido, não tem nada de errado e não tem nada de picaretagem. Se não sabe trabalhar com SEO o problema é de quem reclama e não da estratégia, nem ninguém tem o direito de julgar o de adjetivar os que trabalham com SEO com rotulos como “trapaceiros”, “passar por trás” ou “roubar” pelo fato de se sentir prejudicados. Mais uma vez, vejam os cenários propostos nesse post que são totalmente reais ou tem alguém que me fale que absolutamente todo primeiro contato vêm de um anúncio? Realmente existiria alguém que pense assim? Eu me aposento se alguém pensa assim! hehehe

Lá fora não existe isso. Não existe isso de não anunciar com a keyword do produto nem proibição para comprar domínio exato. Sei de alguém que comprou o domínio ferramentadownload (essa mesma ferramenta que os afiliados de anúncios utilizam para fazer suas páginas de venda). E ai? Está errado? Eu acho que não porque em quanto o dono não disponibilize de fato o download pirata não tem problema. Pode oferecer o período trial se a ferramenta tiver e realmente vai de boa.

Não é por medo que eu vou deixar de dar a minha opinião.

A sua conta bancaria não diz quem você é. Seus resultados financeiros não são mais importantes. Faturar alto não é sinônimo de ser melhor.

Eu trabalho com SEO e com trafego pago agora. E gosto das duas formas.

Os que estão a favor dessas limitações falam de mentalidade e de desculpas. Mas, se eles tem uma mentalidade tão boa e não tem desculpas para seus resultados porque querem limitar o trabalho “dos coitados que trabalhamos com mini sites?”, isso é irônico não é?

Por ultimo, desde que começamos a falar de Black Hat e de técnicas “proibidas” muitos produtores e autoridades no assunto sumiram. Outros reclamaram no inicio mas o mercado soube diferenciar muitas coisas. Falamos desde o inicio de Mini sites e de Launch Jacking e só agora tem uma galera querendo limitar o trabalho dos que mexem com SEO, porque? Será porque agora tem gente mais capacitada por que agora existe informação em português e é mais fácil ter acesso a ela? Ou será que quem trabalha com trafego pago não esta tendo um bom retorno atualmente por causa da concorrência? Porque é fato que cada vez mais o mercado esta se especializando e isso não significa que necessariamente se especialize em aquilo que você é especialista. Você e eu somos só um ponto de areia num mercado gigantesco. Isso é fato! Nem você nem eu somos o suficientemente grandes como para abraçar o mercado e nem você nem eu temos o suficiente poder para limitar coisas ou para exigir a uma plataforma que mude suas regras porque não é conveniente para um grupo reduzido de pessoas.

Pensem comigo, não é mais fácil ter na sua equipe um cara que consegue posicionar para sua palavra chave? esse trafego pode ser perdido por causa de uma arbitrariedade? Porque sejamos sinceros, temos liberdade de expressão e se alguém quiser fazer um post no seu blog falando mal de um curso porque não gostou da roupa do professor, pode fazer isso sem problema algum, isso não é motivo de processo. Utilizar domínio exato não é motivo de processo quando o curso não é uma marca ainda e não sei até que ponto palavras genéricas podem se tornar marcas dentro do mesmo nicho. Por exemplo, eu não sei até que ponto poderia ter um curso que chame “Profissional de SEO” e querer que meus afiliados não usem esse termo. E se alguém que não é meu afiliado posiciona pra essa palavra chave que é genérica? Será que realmente posso processar essa pessoa? Se você é advogado ou tiver conhecimento sobre isso por favor deixe seu comentário que vai ser muito beneficioso para todos 🙂

Tem pessoas que acham que a gente é boba. Mas enfim, eu conheço profissionais muito competentes e que admiro muito nesse mercado, profissionais que trabalham com trafego pago e que gosto muito deles. Discordar não me faz inimigo, espero que levem a bem esse post porque tenho certeza (e sou atrevido ao afirmar isso) que é o pensar de muitos afiliados que trabalham com SEO e que também trabalham com trafego pago e vêm nessa limitação um autoritarismo desnecessário. Eu somente tenho a vantagem de ter um blog que é mais ou menos conhecido e onde posso expressar minha opinião.

Não é minha intenção brigar com ninguém, nem entrar em polêmicas, embora muita gente ache que eu gosto disso. Realmente é desgastante, mas alguém tem que dizer as coisas né? Sei dos que vão me falar: Alejandro se dedique a faturar, deixe o negócio assim. Mas, acredite ou não, isso pesa na minha consciência. Ou você acha que realmente gosto de estar no médio de uma briga? As vezes penso que melhor seria eu ficar na minha, com o que sei faturaria muito mais do que faturo, mas, eu quero deixar algo além do dinheiro pra minhas filhas. Papo furado? Se você tiver filhas ou filhos e se você tiver pais que ensinaram para você um caminho de honestidade e de respeito, pensaria como eu. Mas isso não é obrigação, claro que eu sei.

As vezes ser gente custa um pouco de dinheiro. E não todos estão dispostos a pagar.

A internet não é propriedade de ninguém. As Serps não são propriedade de ninguém aqui no Brasil e palavras genéricas não são propriedade de ninguém também.

Enfim, não quero que aceite ou não a minha opinião, finalmente é isso, só minha opinião. Precisava falar disso porque um post em Facebook ia ficar muito longo com 2700 palavras 🙂

Prometo que o próximo artigo terá algo tão legal que vai compensar esse desabafo!

23 Comments

  1. Gustavo Freitas dezembro 10, 2015
    • Darkent dezembro 10, 2015
  2. Maicon dezembro 10, 2015
    • Darkent dezembro 10, 2015
  3. Daiane dezembro 10, 2015
    • Darkent dezembro 10, 2015
      • Frederico dezembro 10, 2015
  4. Alê Didier dezembro 10, 2015
  5. Gustavo Vazquez dezembro 10, 2015
  6. Elton dezembro 10, 2015
  7. Jóni Oliveira dezembro 11, 2015
  8. Alessandro Vieira dezembro 11, 2015
  9. Daniel Grecco dezembro 11, 2015
    • Gustavo Freitas dezembro 11, 2015
      • Daniel Grecco dezembro 11, 2015
        • Gustavo Freitas dezembro 12, 2015
  10. Fabiano dezembro 11, 2015
    • Darkent dezembro 13, 2015
  11. Júnior Alves dezembro 13, 2015
  12. Elton Janeiro 8, 2016
  13. Reginaldo Janeiro 17, 2016
  14. Leandro Janeiro 26, 2016
  15. Bruno novembro 17, 2016

Leave a Reply